SEGG
Secretaria de Estado Geral de Governo

Notícias

Belivaldo alerta para possibilidade de colapso na rede de saúde se não houver colaboração da população
Sergipe tem maior taxa de transmissão da Covid-19 e governador alerta para responsabilidade coletiva como forma de frear o contágio 
Terça-Feira, 15 de Dezembro de 2020

Durante coletiva à imprensa, no auditório do Palácio dos Despachos, nesta terça-feira (15), o governador Belivaldo Chagas evidenciou sua preocupação com os números crescentes do contágio da Covid-19 em Sergipe e alertou, mais uma vez, para a necessidade da colaboração da sociedade diante do difícil cenário desenhado para os próximos meses, segundo os estudos científicos. 

“Em função dos números que foram apresentados, principalmente a partir do trabalho que foi feito pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), o qual mostra que a segunda onda é uma realidade e que teremos um pico bem maior do que aconteceu na primeira onda. Há a possibilidade, já no mês de janeiro, de vermos a rede estrangulada, entrando em colapso por conta da quantidade de leitos de UTI. Na nossa reunião prevista para a primeira semana de janeiro, medidas duras serão tomadas. A situação é muito drástica, a quantidade de pessoas que estão contaminadas é muito grande e é preciso que a gente tenha a colaboração da sociedade”, enfatizou.

O governador informou que outro dado crítico revelado diz respeito a taxa de transmissão (Rt) em Sergipe que, hoje, é a maior do país. “A taxa de transmissão em Sergipe está em 1.87. Significa dizer que cada 100 pessoas estão contaminando outras 187. É um crescimento de curva impressionante, uma média de possível de óbito na faixa de 9 por dia. Se isso não retroceder, isso vai significar dizer 270 óbitos por mês, e a gente precisa ter responsabilidade para não permitir que isso aconteça”, declarou.

Fiscalização

Belivaldo, também, afirmou que o Governo já está intensificando as fiscalizações e continua com campanhas educativas para conscientizar as pessoas sobre a importância do cuidado de todos. “As pessoas e os estabelecimentos devem seguir os protocolos sanitários. Infelizmente, a gente observa que as pessoas não estão seguindo essas orientações. É uma questão de consciência. Ninguém vai fazer acontecer a melhoria sozinho. O Estado vai continuar fazendo a sua parte, mas se a população não entender a importância do uso da máscara, do distanciamento, isolamento e das medidas de higiene, vai ficar ainda mais difícil. A gente percorre as ruas da cidade e presencia centenas de pessoas circulando sem a máscara, pessoas se aglomerando, praias cheias aos fins de semana. Tomamos algumas medidas mais firmes hoje, vamos acompanhar até o final do ano. Se houver melhoria, a gente volta ao que era, mas se piorar, vamos ter que apertar e a partir de 9 de janeiro fazer isso, em defesa da vida das pessoas”, comunicou.

Ainda quanto à fiscalização, o governador reforçou que a ação deve ser uma responsabilidade também dos municípios. “O Estado tem fiscalizado, porém não pode fazer isso sozinho. Se o Estado sair para uma fiscalização, em qualquer município, tem que estar na companhia da Vigilância Sanitária daquele município, senão não irá valer qualquer notificação da Vigilância Estadual”, concluiu.

Confira aqui a RESOLUÇÃO N.º 07/2020 .