Inicio / Notícias / seguranca-publica
Notícia
Sergipe consolida queda e homicídios diminuem 58,5% desde 2016
No comparativo com 2020, a redução alcançou 27,2% e é a maior desde 2008
Quinta-Feira, 06 de Janeiro de 2022

Em seis anos, o número de homicídios caiu 58,5% em Sergipe. Os dados da Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (CEACrim) também apontaram que o estado está no quinto ano de queda consecutiva na incidência de homicídios dolosos. Quando comparados os anos de 2021 e 2020, a queda alcança 26,5%. O resultado positivo é fruto das ações de planejamento e do trabalho integrado da Segurança Pública de Sergipe.

De acordo com o levantamento feito pela CEACrim, enquanto que no ano de 2020 foram registrados 761 homicídios dolosos, no ano passado - 2021- ocorreram 559 crimes desse tipo penal em todo o estado. Na capital, em 2021 aconteceram 155 crimes. Na Região Metropolitana - Nossa Senhora do Socorro, São Cristóvão e Barra dos Coqueiros - ocorreram 118 casos. Já no interior, foram 282 investidas criminosas. O pior ano em termos de estatísticas, 2016, contou 1306 mortes decorrentes de homicídios, com uma queda expressiva para 559 em 2021.

Conforme o levantamento feito pela CEACrim, com os números identificados em Sergipe, houve o quinto ano consecutivo de queda de homicídios dolosos no estado. Além disso, os homicídios apresentaram o menor número de casos desde 2008. Em termos de taxa percentual, Sergipe registrou 23,9 mortes a cada 100 mil habitantes. Em 2016, essa taxa de mortes para 100 mil habitantes chegou a 57,64.

O secretário da segurança pública, João Eloy de Menezes, enfatizou o comprometimento dos servidores da segurança pública com o compromisso de redução da criminalidade em Sergipe. “Além de todos os investimentos feitos na segurança pública, temos que reconhecer que esse marco positivo de cada vez mais vidas salvas em nosso estado é fruto da capacitação técnica dos nossos servidores. Nossa Perícia, polícias e Corpo de Bombeiros atuam para garantir a segurança da nossa população”, assinalou.

O comandante da Polícia Militar, coronel Marcony Cabral, destacou que a redução é fruto dos investimentos em segurança pública feitos por Sergipe. “Não se chega a uma marca de redução de homicídios sem que os profissionais estejam realmente fazendo seu trabalho. É importante citar também os investimentos, o recompletamento do efetivo, a renovação de viaturas, a aquisição de armamentos, mas principalmente o foco em fatores como a tecnologia e a inteligência”, ressaltou.

O delegado-geral da Polícia Civil, Tiago Leandro, disse que o trabalho desenvolvido de forma integrada e os números de Departamentos como o DHPP (Homicídios) e Denarc (Narcóticos) foram cruciais para a queda em 2021. “Só o DHPP prendeu 266 homicidas no ano passado, seja em flagrante ou em cumprimento de mandados. O Denarc atingiu um marco recorde na apreensão de drogas, mais de quatro toneladas de apreensões e diversos grupos de traficantes foram desarticulados”, comentou, enfatizando ainda toda a atuação de unidades na capital e interior do estado em várias frentes.

O coordenador-geral de Perícias, Nestor Barros, disse que a reestruturação da Perícia em Sergipe tem contribuído diretamente com as consecutivas reduções. “Hoje temos laboratórios importantes e estruturados, instrumentos que não tínhamos há pouco tempo. Essa estrutura traz um impacto na qualidade das investigações e no pedido de medidas cautelares e indiciamento de criminosos”, reforçou.

O professor Marco Antonio Jorge, doutor em Economia pela Fundação Getúlio Vargas/SP, e professor do departamento de Economia da UFS, considerou que a atuação da SSP, em termos de prevenção, inteligência e combate ao crime está entre os fatores primordiais para a diminuição dos homicídios. “Dá para ver que é uma queda consistente, isso é importante. Não é uma tendência generalizada. Em 2020, por exemplo, o único estado que teve queda nos homicídios, de acordo com o Monitor da Violência, foi Sergipe. A situação de Sergipe é diferente. Embora os homicídios sejam decorrentes de diferentes fatores, é indiscutível que o trabalho da secretaria tem dado resultado”, analisou.

Notícia
/ Notícias / seguranca-publica

Sergipe consolida queda e homicídios diminuem 58,5% desde 2016
No comparativo com 2020, a redução alcançou 27,2% e é a maior desde 2008
Quinta-Feira, 06 de Janeiro de 2022

Em seis anos, o número de homicídios caiu 58,5% em Sergipe. Os dados da Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (CEACrim) também apontaram que o estado está no quinto ano de queda consecutiva na incidência de homicídios dolosos. Quando comparados os anos de 2021 e 2020, a queda alcança 26,5%. O resultado positivo é fruto das ações de planejamento e do trabalho integrado da Segurança Pública de Sergipe.

De acordo com o levantamento feito pela CEACrim, enquanto que no ano de 2020 foram registrados 761 homicídios dolosos, no ano passado - 2021- ocorreram 559 crimes desse tipo penal em todo o estado. Na capital, em 2021 aconteceram 155 crimes. Na Região Metropolitana - Nossa Senhora do Socorro, São Cristóvão e Barra dos Coqueiros - ocorreram 118 casos. Já no interior, foram 282 investidas criminosas. O pior ano em termos de estatísticas, 2016, contou 1306 mortes decorrentes de homicídios, com uma queda expressiva para 559 em 2021.

Conforme o levantamento feito pela CEACrim, com os números identificados em Sergipe, houve o quinto ano consecutivo de queda de homicídios dolosos no estado. Além disso, os homicídios apresentaram o menor número de casos desde 2008. Em termos de taxa percentual, Sergipe registrou 23,9 mortes a cada 100 mil habitantes. Em 2016, essa taxa de mortes para 100 mil habitantes chegou a 57,64.

O secretário da segurança pública, João Eloy de Menezes, enfatizou o comprometimento dos servidores da segurança pública com o compromisso de redução da criminalidade em Sergipe. “Além de todos os investimentos feitos na segurança pública, temos que reconhecer que esse marco positivo de cada vez mais vidas salvas em nosso estado é fruto da capacitação técnica dos nossos servidores. Nossa Perícia, polícias e Corpo de Bombeiros atuam para garantir a segurança da nossa população”, assinalou.

O comandante da Polícia Militar, coronel Marcony Cabral, destacou que a redução é fruto dos investimentos em segurança pública feitos por Sergipe. “Não se chega a uma marca de redução de homicídios sem que os profissionais estejam realmente fazendo seu trabalho. É importante citar também os investimentos, o recompletamento do efetivo, a renovação de viaturas, a aquisição de armamentos, mas principalmente o foco em fatores como a tecnologia e a inteligência”, ressaltou.

O delegado-geral da Polícia Civil, Tiago Leandro, disse que o trabalho desenvolvido de forma integrada e os números de Departamentos como o DHPP (Homicídios) e Denarc (Narcóticos) foram cruciais para a queda em 2021. “Só o DHPP prendeu 266 homicidas no ano passado, seja em flagrante ou em cumprimento de mandados. O Denarc atingiu um marco recorde na apreensão de drogas, mais de quatro toneladas de apreensões e diversos grupos de traficantes foram desarticulados”, comentou, enfatizando ainda toda a atuação de unidades na capital e interior do estado em várias frentes.

O coordenador-geral de Perícias, Nestor Barros, disse que a reestruturação da Perícia em Sergipe tem contribuído diretamente com as consecutivas reduções. “Hoje temos laboratórios importantes e estruturados, instrumentos que não tínhamos há pouco tempo. Essa estrutura traz um impacto na qualidade das investigações e no pedido de medidas cautelares e indiciamento de criminosos”, reforçou.

O professor Marco Antonio Jorge, doutor em Economia pela Fundação Getúlio Vargas/SP, e professor do departamento de Economia da UFS, considerou que a atuação da SSP, em termos de prevenção, inteligência e combate ao crime está entre os fatores primordiais para a diminuição dos homicídios. “Dá para ver que é uma queda consistente, isso é importante. Não é uma tendência generalizada. Em 2020, por exemplo, o único estado que teve queda nos homicídios, de acordo com o Monitor da Violência, foi Sergipe. A situação de Sergipe é diferente. Embora os homicídios sejam decorrentes de diferentes fatores, é indiscutível que o trabalho da secretaria tem dado resultado”, analisou.