Inicio / Notícias / Saúde
Notícia
Unidade referenciada para atendimento à Covid-19 em Sergipe recebe primeiros pacientes
Além de leitos exclusivos, o Huse faz adequação para oferecer melhores condições aos pacientes que cheguem acometidos pelo coronavírus
Segunda-Feira, 20 de Abril de 2020

A Unidade de Atendimento Crítico (UAC) montada no Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE) com leitos de UTI e enfermaria para atendimento exclusivo a pacientes com a Covid-19, recebeu este fim de semana os primeiros pacientes. Uma mulher com caso confirmado de coronavírus está na UTI. Outras três pessoas encontram-se internadas na enfermaria, sendo dois testados positivos e uma suspeita.

A UAC faz parte do plano de contingência de enfrentamento à pandemia. Foram instalados 10 leitos exclusivos e equipados para atendimento aos pacientes graves. Além disso, uma enfermaria com mais dez leitos foi reformada para receber os pacientes que estiverem saindo da UAC ou que precisem de cuidados intermediários durante a pandemia. 
A equipe para esse cuidado está composta por 25 técnicos de enfermagem, cinco enfermeiros, dois médicos e cinco fisioterapeutas. 

O diretor do Huse diz que o Hospital segue em constante adequação para oferecer melhores condições aos pacientes que cheguem acometidos pelo coronavírus. 

“Conseguimos reduzir a quantidade de pacientes no Pronto Socorro do Huse, uma ala que tínhamos quase 120 pacientes que é a Ala Azul, hoje nós temos 30 pacientes internados, o trauma reduziu muito e isso é consequência das pessoas ficando em casa, evitando acidentes e os corredores do Huse livres em sua grande maioria no pronto Socorro do Huse, isso ajuda muito a estrutura que foi montada pelo Estado que é uma Unidade específica para pacientes com o vírus”, destacou Wagner Andrade.

Wagner alerta ainda que a Unidade de Atendimento Crítico atende pacientes que chegam, exclusivamente pelo equipamentos de saúde – hospitais regionais, unidade de pronto atendimento. “O Huse é uma retaguarda. É importante que haja a confirmação do caso antes de vir aqui para o Hospital, senão a gente vai começar a ocupar leitos com casos suspeitos”, disse. 

Acesso e Fluxo

Espera-se que 80% da população que for infectada pelo coronavírus tenha sintomas leves, ou seja, assintomáticos, não manifestando os sintomas da doença. Por isso, essa parcela da população deverá ter seus cuidados acompanhados pela Atenção Primária à Saúde, através da assistência organizada pelas Secretarias Municipais de Saúde, seja através do isolamento domiciliar ou através das Unidades Básicas de Saúde de Referências para as Síndromes Gripais.

Os demais 20% podem apresentar a necessidade de um atendimento mais especializado, precisando de uma internação, seja em enfermaria para os casos mais leves, seja em UTI para os casos mais graves. “Para acesso à Rede Hospitalar de referência, independentemente se o paciente estiver numa Unidade Básica ou numa porta de urgência, o contato será feito por essas unidades à Central de Regulação de Urgências (CRU), que repassará a informação qualificada sobre qual unidade de suporte o paciente será referenciado”, relatou o diretor de Atenção Integral à Saúde (Dais), João Lima.

Notícia
/ Notícias / Saúde

Unidade referenciada para atendimento à Covid-19 em Sergipe recebe primeiros pacientes
Além de leitos exclusivos, o Huse faz adequação para oferecer melhores condições aos pacientes que cheguem acometidos pelo coronavírus
Segunda-Feira, 20 de Abril de 2020

A Unidade de Atendimento Crítico (UAC) montada no Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE) com leitos de UTI e enfermaria para atendimento exclusivo a pacientes com a Covid-19, recebeu este fim de semana os primeiros pacientes. Uma mulher com caso confirmado de coronavírus está na UTI. Outras três pessoas encontram-se internadas na enfermaria, sendo dois testados positivos e uma suspeita.

A UAC faz parte do plano de contingência de enfrentamento à pandemia. Foram instalados 10 leitos exclusivos e equipados para atendimento aos pacientes graves. Além disso, uma enfermaria com mais dez leitos foi reformada para receber os pacientes que estiverem saindo da UAC ou que precisem de cuidados intermediários durante a pandemia. 
A equipe para esse cuidado está composta por 25 técnicos de enfermagem, cinco enfermeiros, dois médicos e cinco fisioterapeutas. 

O diretor do Huse diz que o Hospital segue em constante adequação para oferecer melhores condições aos pacientes que cheguem acometidos pelo coronavírus. 

“Conseguimos reduzir a quantidade de pacientes no Pronto Socorro do Huse, uma ala que tínhamos quase 120 pacientes que é a Ala Azul, hoje nós temos 30 pacientes internados, o trauma reduziu muito e isso é consequência das pessoas ficando em casa, evitando acidentes e os corredores do Huse livres em sua grande maioria no pronto Socorro do Huse, isso ajuda muito a estrutura que foi montada pelo Estado que é uma Unidade específica para pacientes com o vírus”, destacou Wagner Andrade.

Wagner alerta ainda que a Unidade de Atendimento Crítico atende pacientes que chegam, exclusivamente pelo equipamentos de saúde – hospitais regionais, unidade de pronto atendimento. “O Huse é uma retaguarda. É importante que haja a confirmação do caso antes de vir aqui para o Hospital, senão a gente vai começar a ocupar leitos com casos suspeitos”, disse. 

Acesso e Fluxo

Espera-se que 80% da população que for infectada pelo coronavírus tenha sintomas leves, ou seja, assintomáticos, não manifestando os sintomas da doença. Por isso, essa parcela da população deverá ter seus cuidados acompanhados pela Atenção Primária à Saúde, através da assistência organizada pelas Secretarias Municipais de Saúde, seja através do isolamento domiciliar ou através das Unidades Básicas de Saúde de Referências para as Síndromes Gripais.

Os demais 20% podem apresentar a necessidade de um atendimento mais especializado, precisando de uma internação, seja em enfermaria para os casos mais leves, seja em UTI para os casos mais graves. “Para acesso à Rede Hospitalar de referência, independentemente se o paciente estiver numa Unidade Básica ou numa porta de urgência, o contato será feito por essas unidades à Central de Regulação de Urgências (CRU), que repassará a informação qualificada sobre qual unidade de suporte o paciente será referenciado”, relatou o diretor de Atenção Integral à Saúde (Dais), João Lima.