Inicio / Notícias / Governo
Notícia
Governo de Sergipe assina protocolo de intenções com a UFS
O plano é uma estratégia de desenvolvimento pactuada entre o poder público estadual, iniciativa privada e terceiro setor voltado à sistematização e difusão de conhecimento com foco no desenvolvimento do estado
Quinta-Feira, 07 de Novembro de 2019

Na manhã desta quinta-feira, dia 07, foi assinado um protocolo de intenções entre o Governo do Estado e a Universidade Federal de Sergipe (UFS) para a condução do Plano Sergipe 2050. O plano é uma estratégia de desenvolvimento pactuada entre o poder público estadual, iniciativa privada e terceiro setor voltado à sistematização e difusão de conhecimento com foco no desenvolvimento do estado.

Para a vice-governadora Eliane Aquino, que representou o governo na assinatura do documento, o estado deu um passo muito importante para a qualificação das políticas públicas ofertadas para a comunidade. “Estamos falando em transformarmos dados frutos de pesquisas acadêmicas em informação acessível aos gestores e à sociedade. Isso tem um significado extremamente importante, pois vai auxiliar gestores a lidarem de forma mais eficiente com os imensos desafios enfrentados cotidianamente, com planejamento e pensando a longo prazo. Estamos pensando sobre o que queremos para  o estado de Sergipe, avaliando a situação atual e buscando melhorar os índices de desenvolvimento com base em dados que irão subsidiar não apenas essa gestão, mas os gestores que ainda estão por vir”, avaliou.

A condução do Plano Sergipe 2050 é realizada pela Secretaria de Estado Geral de Governo,  por meio da Superintendência Especial de Planejamento, Monitoramento e Captação de Recursos (Superplan), que tem atuado junto à Universidade para ampliar não apenas a base de dados, mas a governança democrática do Plano. “Temos na Universidade Federal um protagonismo na produção de conhecimento, de pesquisas sobre o estado, e é fundamental que possamos colocar esses conteúdos juntos e a serviço da produção de políticas públicas de qualidade, que mudem a realidade da sociedade sergipana e preparem Sergipe para ser um estado competitivo, que promova a qualidade de vida dos sergipanos no decorrer desse período. O ato de hoje representa o início de uma parceria muito profícua,” reforçou o assessor especial de Planejamento do Governo de Sergipe, Guilherme Rebouças.

Opinião também partilhada pelo Reitor da UFS, Angelo Antoniolli. “Para nós, essa assinatura é muito importante, pois passa a naturalizar o desenho de um fórum de reflexão permanente, que é papel da Universidade. Temos mestrados e doutorados em todas as áreas de conhecimento e uma das nossas preocupações é como fazer com que esses cérebros pensantes possam estar organizados e atuando de forma integrada para pensar nas soluções dos problemas de Sergipe. Pensar como podem alavancar o desenvolvimento social, como as pesquisas podem chegar na ponta, no cidadão que nos financia, influenciando o cotiadiano, a condição social e a qualidade de vida da sociedade”, ponderou.

O ato, que ocorreu no auditório da Didática VII do Campus São Cristóvão, também foi marcado pela apresentação dos Observatórios Sociais da UFS, que têm como missão elaborar, instituir e acompanhar programas e políticas de ensino, pesquisa e extensão que, de forma integrada, consolidem e ampliem a relação entre a universidade e a sociedade sergipana.

“Celebramos a parceria entre o governo do estado e a Universidade Federal de Sergipe, através dos Observatórios Sociais, o que para nós é um motivo de grande satisfação porque os observatórios são a instância, dentre da universidade, que busca integrar o conhecimento acadêmico e científico à realidade do estado. Então, nosso objetivo maior é que aquilo que possamos produzir  como pesquisa e projeto de extensão na academia realmente tenham um impacto concreto e positivo na sociedade. Esse é um passo importante para integrar os esforços dos observatórios sociais da UFS com o Plano Sergipe 2050 em prol de atingir metas de curto, médio e longo prazo “, explicou a coordenadora dos Observatórios Sociais da UFS, Karina Sposato.