Inicio / Notícias / Desenvolvimento
Notícia
Defesa Civil realiza simulado operacional de gestão de desastres
Propósito da ação é aprimorar o atendimento dos profissionais em diversas situações de risco
Terça-Feira, 23 de Junho de 2020

Estudos científicos comprovam que os desastres relacionados às inundações são os mais recorrentes em todo o mundo. Primando pela segurança e bem estar da população, o Governo de Sergipe está sempre executando ações preventivas em situações de desastres e, com isso, reduzir os impactos de eventos dessa natureza no cotidiano dos sergipanos. Por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade, o Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil (Depec) realizou na segunda-feira, 22, um simulado operacional de Gestão de desastres com todos os seus integrantes.

Coordenada pelo secretário executivo do Depec, Capitão Alysson Carvalho, a ação foi desenvolvida com o objetivo de aprimorar o atendimento de resposta às comunidades que possivelmente venham ser atingidas por eventos advindos das fortes chuvas, previstas para o estado sergipano, como enchentes, alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas e enxurradas. Segundo ele, durante as atividades foi demonstrado como se deve desenvolver um gabinete de crise numa situação em que o desastre extrapolar a capacidade de gestão do município, bem como suas atribuições. “Um Gabinete de Crise deve ser composto pelo representante da Defesa Civil Estadual, pelo prefeito e seu secretariado, pelas Coordenadorias Municipais de Defesa Civil (COMPDEC) e por representantes de instituições com atribuições relacionadas à crise. Seu principal objetivo é desenvolver um plano de ação para melhor aperfeiçoar as ações de respostas aos desastres, trazendo à população afetada o estado de normalidade ou o mais próximo possível disso”, explicou.

O capitão destacou algumas atividades desenvolvidas. “Durante o simulado colocamos em prática a gestão em desastre e a equipe teve a possibilidade de treinar e estudar mais sobre essa ferramenta que é o sistema de comando de nossas operações. Simulamos uma situação de desastre, no caso de fortes chuvas, em que é comum haver enxurradas, alagamentos, inundações, enchentes e ventos fortes que podem ocasionar danos materiais, humanos, além de deslizamentos. A capacitação é importante, pois, nos possibilita uma melhor gestão e utilização dos recursos disponíveis, fazendo com que a equipe se torne ainda mais precisa e eficiente nas respostas aos sinistros que venham ocorrer”, detalhou.

Participante da atividade, o gerente técnico do Depec, Edivaldo Celestino, considera a iniciativa um avanço para a melhoria do atendimento a população em situações periclitantes. “A iniciativa nos trouxe uma modalidade de conhecimento de dados rápidos de pessoas e profissionais que vão estar em campo, sejam eles, agentes comunitários, assistentes sociais e outros, que estarão coletando informações e identificando as famílias prejudicadas. Com esse tipo de planejamento e preparação, o órgão estará completamente apto para desempenhar ainda melhor suas atividades nas cinco esferas de ação, que vem a ser prevenção, mitigação, preparação, resposta e recuperação”, ressaltou.
 

Notícia
/ Notícias / Desenvolvimento

Defesa Civil realiza simulado operacional de gestão de desastres
Propósito da ação é aprimorar o atendimento dos profissionais em diversas situações de risco
Terça-Feira, 23 de Junho de 2020

Estudos científicos comprovam que os desastres relacionados às inundações são os mais recorrentes em todo o mundo. Primando pela segurança e bem estar da população, o Governo de Sergipe está sempre executando ações preventivas em situações de desastres e, com isso, reduzir os impactos de eventos dessa natureza no cotidiano dos sergipanos. Por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade, o Departamento Estadual de Proteção e Defesa Civil (Depec) realizou na segunda-feira, 22, um simulado operacional de Gestão de desastres com todos os seus integrantes.

Coordenada pelo secretário executivo do Depec, Capitão Alysson Carvalho, a ação foi desenvolvida com o objetivo de aprimorar o atendimento de resposta às comunidades que possivelmente venham ser atingidas por eventos advindos das fortes chuvas, previstas para o estado sergipano, como enchentes, alagamentos, inundações, deslizamentos de encostas e enxurradas. Segundo ele, durante as atividades foi demonstrado como se deve desenvolver um gabinete de crise numa situação em que o desastre extrapolar a capacidade de gestão do município, bem como suas atribuições. “Um Gabinete de Crise deve ser composto pelo representante da Defesa Civil Estadual, pelo prefeito e seu secretariado, pelas Coordenadorias Municipais de Defesa Civil (COMPDEC) e por representantes de instituições com atribuições relacionadas à crise. Seu principal objetivo é desenvolver um plano de ação para melhor aperfeiçoar as ações de respostas aos desastres, trazendo à população afetada o estado de normalidade ou o mais próximo possível disso”, explicou.

O capitão destacou algumas atividades desenvolvidas. “Durante o simulado colocamos em prática a gestão em desastre e a equipe teve a possibilidade de treinar e estudar mais sobre essa ferramenta que é o sistema de comando de nossas operações. Simulamos uma situação de desastre, no caso de fortes chuvas, em que é comum haver enxurradas, alagamentos, inundações, enchentes e ventos fortes que podem ocasionar danos materiais, humanos, além de deslizamentos. A capacitação é importante, pois, nos possibilita uma melhor gestão e utilização dos recursos disponíveis, fazendo com que a equipe se torne ainda mais precisa e eficiente nas respostas aos sinistros que venham ocorrer”, detalhou.

Participante da atividade, o gerente técnico do Depec, Edivaldo Celestino, considera a iniciativa um avanço para a melhoria do atendimento a população em situações periclitantes. “A iniciativa nos trouxe uma modalidade de conhecimento de dados rápidos de pessoas e profissionais que vão estar em campo, sejam eles, agentes comunitários, assistentes sociais e outros, que estarão coletando informações e identificando as famílias prejudicadas. Com esse tipo de planejamento e preparação, o órgão estará completamente apto para desempenhar ainda melhor suas atividades nas cinco esferas de ação, que vem a ser prevenção, mitigação, preparação, resposta e recuperação”, ressaltou.